Quíron e a Astrologia


Em 1977, um pequeno planetóide chamado Quíron foi descoberto entre as órbitas de Saturno e Urano. O aparecimento de um novo corpo celeste anuncia uma mudança de consciência na sociedade e reflete desenvolvimentos históricos cruciais. Por exemplo: a descoberta de Urano em 1781 pode ser ligada a um período de revoluções e rebeliões; a América estava se rebelando contra a Inglaterra, havia lutas de classe na França e Napoleão estava prestes a marchar sobre a Europa. Netuno foi localizado em 1846, coincidindo com a Era Romântica e a ânsia por algo mais ideal do que o início de movimentos para o bem-estar dos pobres, dos jovens, dos doentes e dos necessitados. Em 1848, uma onda de revoluções varreu a Europa. A descoberta de Plutão estava sincronizada com o aparecimento do fascismo e do totalitarismo, e também com o de uma nova ciência, a psicologia, na qual profundidades desconhecidas da mente foram descobertas. Se quisermos saber algo sobre Quíron, podemos nos voltar para a mitologia a fim de descobrir sua conexão com desenvolvimentos críticos na evolução do coletivo. Além do mais, compreender o significado arquetípico de Quíron vai nos capacitar a deduzir seus possíveis efeitos numa casa.

O pai de Quíron foi Saturno; sua mãe, Filira, era uma das filhas de Oceano. De acordo com a lenda, a mulher de Saturno, Réa, surpreendeu o marido e Filira copulando. Para escapar, Saturno transformou-se num garanhão e saiu correndo. O produto dessa união foi Quíron, o primeiro Centauro, nascido com um corpo meio de homem, meio de animal. Perturbada por ter dado à luz ao que ela considerava um monstro, Filira pediu aos deuses que a livrassem de qualquer maneira da responsabilidade da criança recém-nascida. Como resposta eles levaram Quíron e transformaram Filira num limoeiro.

A primeira mágoa de Quíron é a rejeição de sua mãe, e onde quer que Quíron se encontre no mapa (casa), esta é a área em que podemos ser mais sensíveis a rejeições. No nível simbólico, isto pode refletir a "saída do Paraíso", que todos vivemos quando o útero começa suas contrações e nos atira à dura realidade do mundo. Quando nos encontramos num corpo físico separado e distinto, perdemos esse sentido de unidade com toda a vida. O posicionamento de Quíron na casa pode mostrar onde estar num corpo cria um problema - onde os desejos e anseios do nosso físico terrestre podem estar em conflito com impulsos para algo mais transcendente, puro e divino. Quíron, o filho de Saturno, era em parte divino e em parte animal. Nós também somos ou inteiramente um ou o outro, e a posição de Quíron na casa poderia indicar onde esse conflito é sentido mais sutilmente.

Educado pelos deuses, Quíron cresceu para ser muito sábio. Seu lado animal deu-lhe sabedoria terrena e proximidade com a natureza. Ele era o que os índios americanos chamam de xamã, um sábio médico. Bem versado nas propriedades medicinais de várias ervas, ele praticava a cura e a naturopatia. Mas seu conhecimento não se limitava à esfera da cura: ele estudou música, ética, caça, guerra e astrologia. Histórias sobre sua grande sabedoria se espalharam até bem longe e, como era inevitável, vários deuses e mortais de alta estirpe levaram seus filhos para serem educados por Quíron. Tornando-se uma espécie de pai adotivo dos filhos dos deuses, ele foi mestre de Jasão, de Hércules, de Asclépio e de Aquiles, entre outros. Numa excelente palestra sobre Quíron, Eve Jackson salientou que as matérias que mais ensinava eram o bem-estar e a cura. Nesse sentido, ele estava familiarizado em fazer e em curar feridas. A posição de Quíron na casa pode nos mostrar onde fomos feridos ou machucados de algum modo e, através dessa experiência nos fazer obter um tipo de sensibilidade e de autoconhecimento que nos capacita a entender e a ajudar melhor aos outros. Eve Jackson associa a descoberta de Quíron com o nascimento do interesse popular pela psicoterapia, profissão na qual feridas psicológicas doloridas são trazidas à superfície num processo de cura. Na verdade, Quíron aparece num forte posicionamento nos mapas de muitos curadores e terapeutas.

Quíron preparava as pessoas para serem heróis. Não ensinava apenas métodos de sobrevivência, mas também aguçava seus valores culturais e éticos. Seus pupilos estavam aptos a sobreviver no mundo, mas eram também nobres capazes de feitos e de proezas a serviço de seus países ou de um todo maior do qual fizessem parte. A posição de casa de Quíron não só é capaz de indicar onde podemos ensinar os outros, mas também onde o nosso potencial heróico pode manifestar-se - uma área da vida na qual vamos além do normal, sem perder o contato com a "vida real". A órbita de Quíron passa entre Saturno e Urano, e proporciona uma ligação entre esses dois princípios.

Na casa de Quíron, é possível que Urano apresente novas idéias e que as revelações possam ser aplicadas de forma prática e dentro daquilo que é aceitável pelo já estabelecido. Quíron casa instinto com inteligência; em sua casa, podemos ser intuitivos, inventivos, e também ter os pés bem postos no chão.

Bebendo com alguns centauros rancorosos, Hércules feriu acidentalmente Quíron no joelho com uma seta envenenada. O veneno era da tenebrosa Hidra e fez uma ferida incurável até mesmo para a medicina de Quíron. Temos aqui um fenômeno curioso: o grande médico sofrendo com uma ferida que não podia ser curada. Notei que Quíron muitas vezes está bem proeminente nos mapas de pessoas incapacitadas, muitas das quais conseguem dar sentido às suas vidas servindo aos outros. Parece também que os melhores terapeutas são aqueles que têm mais conhecimento de suas próprias imperfeições psicológicas e de suas neuroses. Em seu livro, Power and The Helping Professions, Adolf Guggenbühl Craig mostra "que o paciente tem um médico dentro dele mesmo, mas que também o médico tem um paciente dentro de si". O curador que está em contato com a sua própria dor e fraqueza é mais capaz de ajudar pacientes que envolvam o curador que existe dentro deles.

Como prêmio por todos os serviços que prestou, Quíron recebeu o dom divino da imortalidade. Por isso, ele estava numa posição muito estranha não podia nem curar sua ferida nem morrer. Finalmente, foi encontrada uma solução para a sua situação. Prometeu havia sido banido para os mundos inferiores como castigo por ter roubado o fogo dos deuses. Sua soltura estava condicionada a alguém ficar em seu lugar no Tártaro. Quíron, não querendo mais ser imortal, concordou em trocar de lugar com Prometeu. Nesse sentido, Quíron e Prometeu necessitavam um do outro. Eles representam a fusão de dois tipos diferentes de sabedoria: Quíron pegou a sabedoria terrena e a usou para propósitos mais elevados, enquanto Prometeu tirou o fogo dos deuses, símbolo da visão criativa, e o trouxe para a Terra. A casa de Quíron é onde temos necessidade de integrar a visão do fogo com o senso comum prático.

Quíron escolheu a morte. Ele aceitou calmamente a sua necessidade, preparando-se para ela de modo a encarar essa realidade de uma forma pacífica e nobre. Parcialmente inspirado pelo trabalho de Elizabeth Kübler-Ross, este conceito de aceitar e de se preparar para a morte chamou a atenção de muito mais pessoas. A atitude de Quíron com relação à morte e seu entendimento holístico acerca da saúde, da cura e da educação, são os sinais dos nossos tempos.


Ainda é muito cedo para saber a regência do signo de Quíron. Devido à sua condição de Centauro, alguns astrólogos acreditam que Quíron deveria ser associado a Sagitário. Outros acham o signo de Virgem mais apropriado, por sua associação com curas e com a sabedoria prática. Os atuais avanços tecnológicos em computação e métodos de pesquisas estatísticas estão sendo aplicados para avaliar o significado de Quíron; neste meio tempo, esperamos que os breves exemplos que se seguem dos possíveis efeitos de Quíron nas diversas casas lance alguma luz sobre a sua influência no mapa.

Nenhum comentário: