Plutão na 9ª Casa

Observei que, em geral, as pessoas encaram a casa na qual Plutão se encontra de duas maneiras francas, mas diferentes. Alguns se atiram para as coisas da casa, lutando com as implicações mais profundas deste campo e, inevitavelmente, saem mudados e transformados pelas experiências que viveram ali. Outros, tentando preservar seu senso de self e temendo o que o planeta possa fazer a eles, fecham a porta e tentam chutar Plutão para fora de casa de qualquer jeito, esquecidos de que ele tem uma habilidade fora de série para quebrar fechaduras.

Essa mesma dinâmica aplica-se a Plutão na 9ª Casa. De um lado, o desafio de quem tem este posicionamento é alcançar Plutão no que se refere a um conhecimento mais profundo dos fatos básicos relativos à vida. Com Plutão nessa casa, soluções religiosas e filosóficas muitas vezes são encaradas com seriedade e reverência, como se sua sobrevivência dependesse de chegar a dominar a natureza de Deus ou da existência. O desejo espiritual nessas pessoas pode ser obsessivo e fanático; elas muitas vezes são vorazes em encontrar respostas e em descobrir leis e modelos básicos e irrefutáveis que governam a vida. Na busca da verdade procuram grandes alturas ou sondam as sombrias correntes e profundezas da psique. Mas o que estão mesmo procurando é um chão debaixo de seus pés. Como se pode encarar a vida sem algo sobre o que firmar os pés? Mesmo que o chão seja escorregadio ou irregular, ainda é melhor do que nenhum.

Mesmo que pareça que a vida não tem determinação e que não há nenhum desígnio ou estrutura preordenada de existência, quem tem Plutão na 9ª Casa precisa encontrar ou criar um significado, desesperadamente. Mas Plutão também é um grande destruidor e, mais cedo ou mais tarde, suas filosofias podem estar sujeitas a algum tipo de purgatório ou ser derrubadas e reconstruídas. Neste sentido, os que têm Plutão na 9ª Casa algumas vezes são injustiçados ou destratados por suas crenças ou religiões. O colapso de um sistema de crença pode ser uma experiência traumatizante, lançando-os em profundo desespero e depressão até que renasçam novamente através de outra crença.

Seu dogmatismo e seu rigor consigo mesmos podem provir do medo de que, se a filosofia de outra pessoa contradiz a sua, então aquilo em que acreditam pode ter de ser questionado. Antes de ameaçar a santidade daquilo que veneram e adoram, podem tentar controlar aquilo em que todos acreditam ou trazer todos para seu lado. O ditador espanhol Francisco Franco nasceu com Plutão na 9ª casa regente de Escorpião na cúspide da 3ª.

A imagem de Deus muitas vezes é colorida pelo planeta que se encontra na 9ª Casa. Para quem tem Plutão ali, Deus pode não ser todo justiça, beleza e luz. Provavelmente onipotente, Ele pode ter um lado sombrio em sua natureza e, ocasionalmente, decidir que Ele não gosta de seus fiéis. Ele poderia ter prazer em conduzi-los à beira de um precipício, balançando-os ali, ou destruindo-os completamente, não se importando com o fato de terem sido "bons". Não é de admirar que muitas pessoas que conheci com Plutão na 9ª Casa tenham dificuldade em conceber um futuro róseo. Por mais terrível que isso soe, alguns reais benefícios aparecem desses dilemas. Primeiramente, são forçados a suportar o sofrimento e a encontrar algum significado através dele, mesmo que seja um destino contra o qual nada possam. Em segundo lugar, vão tentar escapar o mais possível de qualquer experiência, engajando-se a cada momento muito mais completamente do que qualquer outro que tenha um conceito menos aflitivo de Deus.

Já disse anteriormente que alguns não querem Plutão em casa de jeito nenhum, embora invariavelmente ele encontre uma maneira de se esgueirar para dentro dela. Quando escrevia este livro, encontrei pessoas com este posicionamento que, amedrontadas ou contrariadas pela procura da verdade, tornaram-se niilistas. Diametralmente opostas aos que usam a sondagem construtiva de Plutão, essas pessoas são desalentadas e apáticas e não vêem valor em coisa alguma. Por que me preocupar, se tudo termina mesmo com a morte? Mas é exatamente por isso que elas deveriam preocupar-se. A morte é, provavelmente, o acontecimento mais importante da vida, e nós não podemos morrer bem se não vivemos bem. Cícero disse: "Filosofar é preparar-se para a morte”. 

Diferentemente daqueles que têm Plutão na 8ª Casa, estas pessoas não sofrem necessariamente repressão ou mau funcionamento de instintos sexuais ou agressivos, mas repressão ou frustração de um igualmente importante e particular desejo humano - o de querer encontrar significado para a vida.
Enquanto a 8ª Casa representa os desejos que nos impulsionam de dentro, a 9ª Casa representa trabalhos ou metas que nos impulsionam de fora. Quem tem Plutão nesta casa, recebe um forte puxão para seguir o comando de Plutão e, ainda assim, muita ansiedade e temor sobre o que podem encontrar neste processo. Esta dinâmica aplica-se também na procura de educação superior e em grandes viagens.

Experiências que provocam profundas transformações podem ocorrer através de uma educação superior. Plutão é encontrado nas salas de aula, talvez disfarçado num professor importante que os estimule, ou através dos conflitos e desafios que qualquer curso ou sistema educacional sempre apresenta. Em certos casos, eles podem mudar drasticamente seu campo de estudo durante o período escolar. Algumas pessoas com Plutão na 9ª Casa são capazes de fazer descobertas que requeiram a reescritura da história, a revisão de alguma disciplina e a eliminação do que é velho e falso em algum sistema de ensino. O zoólogo Thomas Huxley, que lecionou história natural e afetou profundamente o pensamento científico de seu tempo, nasceu com Plutão em Áries na 9ª Casa.

Grandes viagens representam outra área na qual um Plutão na 9ª Casa é ativado. Pessoas com Plutão na 9ª Casa podem ser transformadas por viagens, ou encontrando e assimilando o conhecimento e as tradições de culturas outras que as suas próprias. Um famoso exemplo disso é o artista Paul Gauguin, com Plutão em Áries na 9ª Casa, regendo Escorpião na 4ª. Ele deixou mulher e filhos (Escorpião na 4ª) e emigrou para o Taiti, onde produziu suas mais famosas obras e onde pode ter contraído sífilis; mais tarde, morreu desta doença nas ilhas Marquesas. Existe a possibilidade de algumas pessoas com Plutão aqui projetarem as partes inaceitáveis de suas próprias psiques sobre outra raça, religião ou cultura, perseguindo e culpando algo fora deles pelo que há de sombrio ou de mau no mundo.

O relacionamento com familiares também pode pertencer à esfera em que Plutão é sentido. Por exemplo, num aspecto difícil com a Lua, a sogra ou a cunhada tendem a ser vistas como destratantes ou manipuladoras. A morte de um parente pode ter efeito profundo na vida.


2 comentários:

George Santos disse...

Eu tenho plutão na nona casa e essa é a descrição mais fiel que eu já li de astrologia na internet sobre mim.

cláudia frança disse...

Seria legal que mencionasse a fonte de seu texto, todo ele retirado de Howard Sasportas! É no mínimo honesto!